NOTÍCIAS

DNA de uma equipe

November 22, 2018

Por OM Navios
Tradução de Rodrigo Mendes
Revisão Jéssica Ferri 

 

Um ano antes da OM International divulgar sua declaração de missão global estabelecendo "comunidades vibrantes de seguidores de Jesus entre os menos atingidos”. A OM Near East Field (Síria, Jordânia, Iraque, Líbano) concordou em uma declaração com quase o mesmo sentimento.

 

Para a funcionária de longa data da OM, Diane*, o foco claro do campo de ministério em plantação de igrejas (CP) refletia sua própria mentalidade, obtida a partir de anos de pesquisa e experiência de campo.

 

No outono de 2014 ela se juntou a uma equipe focada no CP no Oriente Próximo. Mas quando o seu pedido de residência foi para a lista negra daquele país e ficou num limbo de um ano, ela decidiu lançar uma nova equipe em outro local.

 

“Quando começamos esta equipe, dissemos que o que realmente queríamos era uma equipe que estivesse concentrada em plantar igrejas e encontrar grupos que se multiplicassem. Eu cheguei ao ponto em que eu realmente precisava de um time ao meu redor. Eu não podia fazer isso sozinha”, enfatizou Diane.

 

Desde o início, essa equipe (inicialmente duas mulheres e depois três) queria identificar e implementar princípios importantes inerentes ao CP ao Disciple Making Movements (DMM).

 

Nancy*, a terceira integrante da equipe que passou seis anos em um país vizinho, escolheu sua equipe atual para aprender melhor como praticar o discipulado. "Os diferentes tipos de experiências que temos e a diversidade... fortalecem a equipe", disse ela. “Todo mundo adiciona algo diferente ao time, mas também o torna único”.

 

“Eu olho para o meu pequeno time e somos todos muito diferentes e temos diferentes dons”, descreveu Diane. Trabalhar juntos para ela é “não apenas organizar nosso tempo para irmos juntos, mas… como usamos nossos dons juntos para plantar igrejas”.

 

 

Práticas

 

A oração extraordinária é uma das marcas do discipulado. Desde que Diane e sua equipe estavam começando 'do zero', eles decidiram colocar a oração em seus planejamentos - trinta minutos de oração compartilhada diariamente, mais um dia por semana de jejum em equipe e oração.

 

“Pessoalmente isso me ajuda a ficar mais focada em Deus como Aquele que está trabalhando. Isso me ajuda a confiar mais em Deus do que na minha própria habilidade”, compartilhou Diane.

 

“Passamos muito tempo orando por outras pessoas e estamos crescendo juntos em um sentido espiritual como um grupo que ora junto pela comunidade”. 

 

Segundo ela, tomando um dia inteiro para a oração, “podemos orar por todos os que conhecemos. Nós não vamos ficar sem tempo”.

 

"Para mim, é o centro", acrescentou Nancy. "Estou muito feliz com este dia de oração e em passar tempo juntos como equipe e compartilhando todos os relacionamentos. Eu não quero perder isso... A oração é a primeira coisa a se fazer para ver o discipulado acontecer.”

 

Praticar uma oração extraordinária, semear intencionalmente e dar permissão aos membros da equipe para falar nos ministérios dos outros são três chaves, disse Diane. “Precisamos dos diferentes dons que as pessoas trazem para a equipe”.

 

As mulheres também precisam uma da outra para o ministério. “Jesus enviou pessoas em duplas. Tentamos fazer um monte de ministérios juntos”, explicou Diane.

 

“Tendo trabalhado extensivamente sozinha, juntar-se a visitas não é algo que eu ache muito fácil”, admitiu ela. “As famílias geralmente preferem uma ou outra pessoa... elas dizem a você o tempo todo. Para nós é como uma luta espiritual.

 

Nós não vamos fazer comparações”.

 

Na verdade, Diane disse que as diferenças podem aguçar o ministério. Talvez uma mulher seja boa em fazer novos relacionamentos, enquanto outra pode facilmente levantar tópicos espirituais em conversas. Companheiros de equipe podem desafiar uns aos outros a encontrar novas famílias se relacionamentos mais antigos pararem de demonstrar interesse espiritual.

 

Depois de participar de um treinamento interorganizacional para fazer discípulos, Diane disse que também se concentrou na identificação e convite.

 

"Acho que é muito importante que as pessoas me conheçam logo e eu não faço falsas promessas".

 

“Sempre que você entra em uma família sempre há essas perguntas que as pessoas fazem: 'Quem é você? De onde você é? Por que você não é casada?” Diane compartilhou: “Como faço para usar essas perguntas para dizer a elas que sou alguém que segue a Deus e o ama, e Ele está mudando minha vida. E como eu passo disso para um convite: ‘Deus pode fazer isso por você também. Ele pode mudar sua vida, país e o mundo’”.

 

 

Histórias

 

“Gostaríamos muito de ver as coisas acontecerem rapidamente e ter muitas pessoas ouvindo o evangelho, mas nosso objetivo não é fazer as coisas em um determinado período de tempo ou ver um certo número, mas tornar as pessoas discípulas em profundidade suficiente”, afirmou Diane. “Um discípulo é sempre alguém que faz outros discípulos”.

 

Muitas vezes as mulheres precisam de várias visitas para determinar se as pessoas que conhecem têm interesse espiritual sincero e se compartilham as histórias que aprendem com outras pessoas.

 

Por exemplo, Nancy falou sobre uma mulher que já tinha interesse em obter uma Bíblia. “Ela fazia perguntas e queria ler em conjunto.” Depois, a moça perdeu um pouco da vontade de estudar.

 

"Ela diz que acredita que sua ajuda é de Deus e ela está me perguntando novamente sobre o livro", disse Nancy. "Agora estou descobrindo onde ela está e o que ela realmente quer. [Ela] quer escolher seguir Jesus ou é uma maneira educada de se conectar comigo?”

 

Em outra família, Diane conheceu um marido e uma esposa que inicialmente mostraram interesse pela Bíblia. O marido disse a Diane que ele uma vez sonhou que abria o evangelho e lia que Deus é único.

 

"Isso é um sonho fantástico", ela respondeu. "Deixe-me mostrar-lhe onde está escrito".

 

Durante a visita, outro membro da família protestou contra o sonho do marido dizendo que os cristãos acreditam em três deuses. Quando Diane se preparava para sair, no entanto, a mulher perguntou a ela onde poderia obter um evangelho.

 

“Eu poderia te dar um livro, mas é muito mais divertido lê-lo juntos. Você gostaria de estudar a Bíblia?”, perguntou Diane.

 

Na próxima vez que Diane visitou a família, essa mesma senhora convidou uma tia e um tio para ficar com a família uma noite extra para ler a Bíblia.

 

“No final, tudo o que fazemos depende do que Deus quer fazer. De certa forma, ainda estamos esperando que Deus nos conduza às pessoas que levarão o evangelho e correrão com ele em suas comunidades”, disse Diane.

 

 

Oração

 

Ore para que a equipe do ministério desenvolva perseverança. "Acho que vimos muitos relacionamentos se desenvolvendo três etapas à frente e recuando cinco etapas para trás", compartilhou Diane. "Você tem essas pessoas que ficam com os olhos marejados quando veem uma Bíblia, e elas realmente querem lê-la e, de repente, elas simplesmente não atendem suas ligações".

 

Ore também para que mais pessoas se juntem ao campo. "Todos nós temos um compromisso de longo prazo, mas para uma equipe estável precisamos de mais pessoas", disse Diane. “Alguém que adora aprender e que quer aprender em comunidade, que quer fazer parte de uma equipe que não é apenas uma comunidade de trabalho, mas também uma família no sentido de cuidar das necessidades de cada um, que tem um nível muito bom de árabe, que adora aprender, mas sabe que é bom participar e que é apaixonado por fazer discípulos e plantar igrejas.”

 

*Nome alterado por segurança

 

Texto original

 

O papel da OM na Igreja é mobilizar pessoas para compartilharem o conhecimento de Jesus e seu amor com cada geração em cada nação. A OM é pioneira e lidera iniciativas para resgatar vidas, reconstruir comunidades e restaurar um objetivo em mais de 110 países.

 

 

 

Compartilhar
Compartilhar
Curtir
Please reload

Notícias em destaque

Lutando contra a pobreza do conhecimento bíblico

May 31, 2019

1/7
Please reload

Notícias recentes

October 30, 2019