NOTÍCIAS

Inspiração, criativade e culto

November 20, 2017

Por Nicole James

Tradução de Rodrigo Mendes

 

A construção levou quatro vezes o tempo que ele esperava e custou o dobro. Em vez de orientar alguém através do processo de construção, Jacob*, um trabalhador na Ásia Central, e um missionário da OM no país, completaram o trabalho sozinhos.

 

Cinco meses após ele iniciar a construção do estúdio de gravação no porão nos arredores de uma cidade movimentada, Jacob podia finalmente ver o fim da linha. Sentado no estúdio olhou através das janelas de vidro do salão ainda em construção. "A acústica está terminada aqui, mas ainda não está bonita", disse ele. "A acústica da sala deve ser feita no próximo mês e ficará muito mais bonita".

 

A funcionalidade e a beleza eram aspectos importantes do seu design. Afinal, Jacob imaginou o estúdio como "um lugar que... inspirará criatividade e adoração. Este é um lugar onde você pode encontrar Deus".

 

Centrar a experiência em torno da música foi simplesmente um reflexo da própria paixão de Jacob. "A música sempre foi uma grande parte de quem eu sou", afirmou. "Foi como eu conheci minha esposa. Trabalhei com música ao vivo na faculdade".

 

A música também é "uma necessidade crescente aqui na igreja", acrescentou. "Não há uma saída eficaz para pessoas criativas de fé".

 

O melhor cenário que os artistas crentes podem almejar tem um foco secular, onde eles não podem mencionar Cristo, explicou. "Se você é um músico criativo e você é um crente, você nunca deve mencionar que você é um crente ou irá cantar na sua igreja. Mas sua igreja são 12 pessoas na sala de estar de alguém".

 

Embora existam músicos individuais talentosos que lideram a adoração para grupos caseiros ou pequenas igrejas, "não há senso de colaboração, comunidade ou qualquer pessoa que os levem e os ajudem a crescer. Não há ferro afiando o ferro", observou Jacob.

 

As igrejas indígenas lutam contra a união e raramente compartilham recursos de adoração, ele diz: "Se você perguntar a uma igreja: "E essa música?", Eles dirão: "Essa não é nossa música. Essa pertence a outra igreja...”. “Nós não cantamos canções uns dos outros, a menos que ambos sejam uma tradução de Hillsong.'"

 

Portanto, ao invés da divulgação de canções de adoração entre as congregações da Ásia Central, são "as canções ocidentais traduzidas - mal tocadas e mal gravadas – que tornaram-se o padrão para a adoração na igreja aqui", afirmou Jacob.

 

Outro missionário uma vez tocou uma música e perguntou se era traduzida ou local. O gênero da música era rock, com toques de metal, mas a qualidade era alta, descreveu Jacob. Descobri que um grupo de crentes da Ásia Central formaram uma banda nos anos 90, tocaram juntos por um ano e depois se separaram.

 

“Eles não têm se falado por 20 anos", disse Jacob. "Eu quero ver o oposto disso. Eu quero ver a colaboração de longo prazo e uns aos outros se discipulando".

 

É aí que entra o novo estúdio. "A ideia era que eu fizesse um lugar onde essas pessoas pudessem se reunir e fazer shows, fazer gravações e fazer música juntos... um lugar onde os músicos pudessem colaborar e ver que eles não estão sozinhos", disse Jacob.

 

Anna*, uma líder veterana de adoração em uma igreja indígena, compartilhou o sonho de Jacob. Antes da conclusão do estúdio ela passou três dias gravando músicas de adoração e por horas no espaço de construção inferior pensando estrategicamente em maneiras de reunir um conjunto de música de diferentes igrejas.

 

"O que mais me anseia é o receio que isso não aconteça. O meu medo é que eles não colaborem e que seja apenas um lugar onde podemos ir e gravar algo por conta própria para fins egoístas", admitiu Jacob. "Inversamente... o que me dará a maior alegria é ver pessoas que não trabalham juntas [naturalmente] criarem algo juntos e vejam algo que durará".

 

Provavelmente havia outros 25 músicos que queriam saber sobre o estúdio, estimou Jacob. Mas quando ele terminou a construção ele queria caminhar lentamente pelo processo de gravação. "Há uma falta de compreensão sobre o aspecto do processo de gravação em relação à instrumentação, os ensaios para uma música e depois a gravação", explicou.

 

No futuro Jacob espera promover noites de shows musicais onde diferentes escritores de canções cristãs possam compartilhar seu trabalho e receber a contribuição de outros músicos talentosos.

 

"Existem duas consequências [para o projeto de estúdio]: pessoas criativas podem criar arte duradoura e influenciar a próxima geração da igreja. E, em segundo lugar, se os músicos trabalharem juntos, acredito que isso irá promover uma maior união da igreja - as igrejas começarão a trabalhar juntas e se amar uns aos outros".

 

Ore para que o estúdio seja usado para promover a união e a criatividade entre os crentes da Ásia Central. Ore para que os músicos ordenados por Deus usem o espaço. Ore para que músicos talentosos e de alto nível de fora do país venham ao estúdio e colaborarem com os músicos da Ásia Central para a glória de Deus.

 

*Nomes alterados por questão de segurança.

 

Texto original.

 

O papel da OM na Igreja é mobilizar pessoas para compartilhar o conhecimento de Jesus e Seu amor com cada geração, em cada nação. A OM é pioneira e lidera iniciativas para resgatar vidas, reconstruir comunidades e restaurar a esperança em mais de 110 países.

Compartilhar
Compartilhar
Curtir
Please reload

Notícias em destaque

Lutando contra a pobreza do conhecimento bíblico

May 31, 2019

1/7
Please reload

Notícias recentes

October 30, 2019