Vozes do Distrito da Luz Vermelha


#Singapura “O Distrito da Luz Vermelha é como um inferno vivo!” exclamou uma profissional do sexo transgênero numa região infame de Singapura.


“Quando escolhemos esse caminho, estamos destinadas a uma vida de solidão,” disse outra.


“Será que Deus vai me perdoar por ter mudado de sexo?” Um silêncio pesado baixou.


“Tenho 27 anos; não tenho marido. Tenho duas crianças, de 5 e 3 anos. Comecei com esse trabalho por causa de uma conta médica imensa que meu falecido marido deixou para mim. Meus documentos não valem nada para as autoridades. Orem para que eu seja liberta e possa voltar para minha casa, para minhas crianças!” Chorou uma profissional do sexo de ocasião, da Índia.


“Você vai orar por mim?” uma mulher traficada e forçada à prostituição perguntou.


“Obrigada pelo seu presente”, disse uma jovem e mansa trabalhadora de um bordel no Vietnã.


“É adorável que você possa jantar conosco,” disse uma trabalhadora chinesa de um bordel, enquanto participava