Vale a pena


#CostaRica Josué Sánchez, 32, de El Salvador, sabe tudo sobre risco.

“Eu cresci na cidade mais perigosa da América Central,” Josué disse. “Existem gangues violentas que lutam por território e matam sem nenhum motivo. Todos em El Salvador enfrentam isso diariamente. É uma questão de saber como sobreviver. É tipo, ‘Bem-vindo à selva’.”

Josué conheceu o amor de Jesus ainda menino, quando um colega de classe o convidou para sua casa e sua família convidou a mãe de Josué para ir à igreja. “Começamos a ir juntos e três anos depois, aceitei a Jesus como meu Salvador.”

Aos 17 anos, ele se comprometeu a servir a Cristo com sua vida. Nessa época, ele estava no Panamá numa viagem de curto prazo com a Operação Mobilização (OM).

José foi voluntário com a OM por três anos, servindo com equipes de curto-prazo na América Central. Ele conseguiu um diploma em comunicações, estudou inglês e trabalhou com um ministério local em El Salvador por nove anos, tudo enquanto servia na sua igreja. Ele tinha sua própria casa e era dono de uma moto. Era uma vida completa.

Então Deus pediu para que desistisse de tudo.

Começou simples. Um dia, depois de nove anos de ministério, Josué percebeu que precisava de um tempo. “Eu peguei dois anos sabáticos e trabalhei num centro de atendimento. Mas em 2018, senti que Deus estava me chamando de volta ao ministério. Ele me disse, ‘Preciso que você se lembre da promessa que Me fez.’ Então eu contatei um amigo com a OM na Costa Rica e me juntei a ele numa viagem missionária a uma tribo indígena numa floresta.”


No fim da viagem, ele foi convidado a se juntar à OM na Costa Rica por três meses. “Eu pedi demissão naquela semana,” Josué se lembrou. “Pelos próximos dois meses, eu fiz tradução para equipes de curto-prazo e durante esse tempo, chegou o sustento para a minha viagem.”