• OM International

Trazendo missões de volta à igreja


#México Apesar de ser um experiente veterinário, além de técnico médico voluntário de emergência (EMT), Sam Castro passa seus dias entre seu computador e um cenário azul brilhante, trabalhando como intérprete médico de vídeo para hospitais. "Eu gosto porque me dá muito tempo para me envolver na igreja", disse o mexicano de 32 anos. A prática veterinária, por outro lado, exigiria que ele estivesse disponível para emergências quase 24 horas por dia, 7 dias por semana.


O fato de agora usar o inglês para ganhar a vida remonta à sua infância, quando, segundo Sam, seus pais lhe mostraram o amor de Deus, renunciando a algumas coisas para si mesmos, a fim de pagar uma escola cristã particular para Sam e seu irmão. Lá, os meninos aprenderam não só valores bíblicos, mas também o inglês. "Meu pai sempre dizia: 'Se você quer se envolver em missões, você tem que saber inglês'", compartilhou Sam. "Agora, aqui estou eu, e o inglês tem sido a ferramenta básica para eu me envolver em missões."


A mais nova oportunidade de ministério de Sam — traduzindo materiais para OM do inglês para o espanhol — resultou de seu treinamento em línguas, mas sua crescente paixão por missões tem origem ainda na sua infância. Seu pai era um líder da OM no México, e "quando éramos crianças, íamos à conferência de verão e depois participávamos da campanha de evangelismo de Natal e terminávamos com o evangelismo da Páscoa", lembrou Sam. "Estávamos sempre perto de missionários que vinham nos visitar."


O próprio Sam serviu com a OM no navio Logos Hope, de 2013 a 2016. Quando ele voltou para casa, em Pachuca, México, a equipe de liderança de sua igreja o nomeou chefe do ministério de sua missão. Naquela época, o ministério da missão anterior da igreja tinha sido dissolvido, então Sam teve que começar do zero.


Comece com uma oração


Primeiramente, ele e dois amigos começaram a se encontrar, semanalmente, para orar. Eles pediam a Deus metas de curto, médio e longo prazo para o projeto de missões da igreja. Depois, eles convidaram membros de sua igreja, e cerca de 150 membros, para se juntarem a eles.

"As pessoas começaram a vir à reunião do ministério de missões, e pouco a pouco, começamos a fazer coisas", explicou Sam. Durante um mês no verão, eles montaram uma cafeteria na igreja e compartilharam histórias e depoimentos de pessoas que servem em outros países. Por ocasião do Natal, eles conseguiram pequenos brinquedos, livros para colorir e outros itens de pessoas da igreja.


Depois, juntamente com doces e folhetos evangélicos, os distribuíram para as crianças de cidades pequenas nas montanhas.


Ao longo de 2019, Sam e a equipe de missões realizaram, uma vez por mês reuniões semanais de oração focadas principalmente em missões. As reuniões duravam de quatro a cinco horas. Mas o conceito de missões predominante no México é "apenas ir para a próxima cidade", explicou Sam, "... e talvez fosse diferente se você cruzasse o país.


Ampliar o entendimento de sua igreja sobre missões interculturais tem sido um dos temas do ministério de sua nova missão. "Uma das coisas que achamos muito útil são os boletins informativos que recebo dos meus amigos do navio Logos Hope que ainda estão servindo.", disse Sam. "Desses folhetos, traduzo algumas das notícias e pedidos de oração e ilustro tudo com fotos."


As notícias vêm de um amigo asiático que serve no Lago Tanganica, na Zâmbia, um amigo ministrando na Tailândia, um profissional médico europeu que trabalha no Oriente Médio, um casal latino ainda no ministério do navio e vários outros envolvidos em missões, em tempo integral, após terem servido como voluntários no navio. Às vezes, Sam traz uma foto da bandeira nacional e um mapa do lugar onde uma pessoa está servindo. Quando compartilha com membros da igreja informações do amigo na Zâmbia, "Tenho certeza de que eles nem sabem exatamente o que ela está fazendo, no entanto, ter pessoas orando pela saúde dele, por sua vida espiritual, sua fé, ou pelo ministério dele, eu acredito que crie um vínculo tão forte que só Deus pode nos proporcionar", explicou Sam.


Além das noites de oração, Sam organiza encontros todos os anos, quando convida obreiros para compartilharem suas histórias pessoalmente. Em um desses eventos, após um testemunho particularmente comovente, Sam viu lágrimas nos olhos de alguns dos membros da igreja. "Eles estavam entendendo, e se questionavam: O que estou fazendo aqui? Sou privilegiado por ter liberdade de ser cristão no México, contudo como estou usando isso? Há pessoas indo a lugares conturbados e perigosos para compartilhar o amor de Deus, e por que eu não evangelizo na minha própria cidade? Essa conferência, foi um dos grandes momentos para nós como equipe.", lembrou.


A resposta da igreja ao ministério de missões tem resultado numa maior consciência do poder da oração, "perceber que suas orações podem ir muito além da sua cidade, que suas orações podem impactar mais do que sua própria família, revigorar sua saúde ou reavivar sua igreja. Não há limites para a oração", disse Sam.


Os desafios do Coronavirus 2020


Segundo Sam, a equipe de missões tinha planejado uma viagem a El Salvador, um objetivo de médio prazo pela qual eles esperavam poder dar uma ideia, aos membros da igreja, do que, na verdade, são missões interculturais. A viagem, no entanto, foi cancelada por causa do novo coronavírus. Os cultos dominicais continuaram via YouTube, enquanto as atividades do ministério da missão migraram para o WhatsApp. Sam ainda envia pedidos de oração traduzidos de seus amigos servindo ao redor do mundo, e ele está considerando sediar o evento das missões de outono no Zoom.


As pessoas em sua igreja, no entanto, são principalmente parte de uma geração mais velha e têm dificuldades para se adaptar a encontros virtuais necessários no contexto de pandemia. "Eles amam orar, e amam se envolver, entretanto, quanto ao lado tecnológico das coisas, eles ainda têm problemas.", compartilhou Sam.


Até agora, ele não usou uma opção online para as reuniões mensais de oração por missões. "Você não vai à reunião apenas para ir à reunião. Para nós, é muito mais que isso: Como você está indo? Como está sua família? Como está sua saúde? São coisas que gostaríamos de perguntar, pessoalmente. Somos pessoas", explicou Sam. "Então, é difícil ter tudo isso espremido em uma tela. Embora a mensagem seja dada e a visão continue, o aspecto afetivo simplesmente não está lá, então é difícil para nós."


As bases para missões


Enquanto estava na faculdade, Sam nunca havia entendido totalmente a necessidade de oração. "Sempre ouvi falar de oração e que oração é falar com Deus, mas tudo se perde se você não tiver nenhuma experiência", compartilhou.


No navio, Sam lembrou-se do desafio de ser o recém-nomeado gerente da livraria e reconhecer que suas decisões afetariam a vida de colegas da tripulação. Ele entrou em sua cabine, ajoelhou-se no chão e suplicou a Deus por maneiras de ajudar sua equipe. "De repente, as ideias vieram até mim", lembrou Sam. "Não eram ideias que se originassem de minhas iniciativas, era Deus sussurrando tudo para mim.


E embora o inglês possa ser essencial para o envolvimento em algumas organizações de missões internacionais, "a oração é a base das missões ou de qualquer tipo de relacionamento que você tenha com Deus", afirmou Sam.


Globalmente, as necessidades dos obreiros e das organizações de missões podem ser esmagadoras, admitiu. "Não há como você ser capaz de orar por tudo, então pegue o que puder", ele encorajou outros crentes. "Não temos ideia de quão poderosos cinco minutos de oração podem significar para uma pessoa, todos os dias. Concentre-se em um problema, um objetivo. Comece com alguém. É simples assim."


Traduzido por Orlando Silva

Revisado por Eunice L. Amaro

NOTÍCIAS

INSPIRE-SE

Notícias de Missões

Blog

CONTATO

(12) 3945-0047

comunicacao.br@om.org

CONTRIBUA

Online, clique aqui

Depósitos:

Banco Bradesco

Agência 0225-9 - Conta Corrente 20.311-4

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Copyright 2020. Operação Mobilização Brasil. Todos os direitos reservados. comunicao.br@om.org