• OM International

Preparada todo o tempo


#Zâmbia "Quando o vírus se espalhou para a África, tive a opção de ir para o Canadá, mas sou grata por ter escolhido permanecer na Zâmbia", explicou Larissa. "Deus usou minha equipe de uma maneira muito especial para continuar alcançando mulheres na Zâmbia e em outros locais, de toda a África."


Para ajudar a evitar a propagação da COVID-19, quase tudo na Zâmbia, onde Larissa atua no treinamento e conscientização de mulheres, chegou a paralisar, quando o isolamento compulsório restringiu a movimentação de indivíduos e o uso de máscara facial se tornou obrigatório na interação com as pessoas. Apesar de Larissa e sua equipe ficarem impedidos de circular, eles encontraram uma maneira de demonstrar seu amor pelos outros: passaram a costurar máscaras faciais mais baratas. "Nosso objetivo não tinha mudado — ainda queríamos empoderar as mulheres— mas nosso foco, para aquele momento, teve que mudar", comentou Larissa.


Produzindo, em poucas semanas, cerca de 7 mil máscaras, o esforço possibilitou, não apenas um alívio para as pessoas que teriam que gastar seus míseros rendimentos em máscaras caras ou encarar uma pena de prisão por desobediência, mas também uma renda extra para as mulheres que, treinadas como costureiras, são, na verdade, os chefes de suas famílias, grosso modo.


"Normalmente, nos países em desenvolvimento, a vida de uma mulher não é fácil", observou Larissa. "Muitas vezes, as mulheres têm pouco estudo, quando não são analfabetas, por isso têm dificuldades para conseguir boas oportunidades de emprego e, consequentemente, terem algum tipo de renda.


"Nosso objetivo é ver as mulheres empoderadas, libertas da opressão física e espiritual e tornando-se vibrantes seguidoras de Jesus”.


Treinando e empoderando


Larissa nasceu em uma família cristã no Canadá e, desde a mais tenra idade, ela sabia que queria envolver-se em missões, mas não sabia exatamente como. Uma viagem de missões à Suíça, para trabalhar com mulheres vítimas de tráfico sexual, abriu seus olhos para injustiças. Ouvir as histórias dessas mulheres impactou-a profundamente e deu origem a um desejo de ajuda-las a se empoderar. "Eu nunca tinha me dado conta de tal coisa, e isso era muito triste", lembrou ela. Dois anos depois, Larissa mudou-se para a Zâmbia, para trabalhar com mulheres marginalizadas, ensinando-lhes ofícios para melhorarem sua condição econômica e, ao mesmo tempo, mostrar-lhes o amor de Cristo.


Embora o trabalho tenha começado na Zâmbia, Larissa e sua equipe treinaram líderes locais, permitindo, assim, que o projeto se espalhasse por outros países da África. Como coordenadora de empoderamento feminino, Larissa trabalha para treinar, capacitar e possibilitar a criação de coordenadorias para ministérios femininos ao redor da África, em países como Zâmbia, Moçambique, Malawi, Burkina Faso, Madagascar, República Democrática do Congo e um outro país no centro da África do Norte.


O treinamento nas áreas de costura, microempresas, bijuteria e culinária ensina às mulheres aptidões, profissões, ofícios úteis, os quais elas podem usar para ganhar dinheiro e sustentar suas famílias. As mulheres também são encorajadas a se envolver em grupos de autoajuda, nos quais lidam com o desenvolvimento pessoal e se dão conta do poder do evangelho.


“Sem perceber uma luz no fim do túnel, essas senhoras continuam a ser exploradas e também a multiplicar o ciclo de pobreza e opressão", disse Larissa.


Antes do novo coronavírus, Larissa organizou um treinamento para discípulos do Fulani, um significativo grupo étnico da África Ocidental, e para plantadores de igrejas da região do Sahel. "A vida das mulheres, nessa região, é muito difícil, mas estou motivada pelo fato de que o olhar e atenção de Deus está nos oprimidos", compartilhou Larissa. "A preocupação de Deus com os pobres e necessitados é o que deve nos motivar a perceber, e, sobretudo, ir, além de nossos problemas. Importa mesmo estarmos sempre prontos e atentos ao chamado de Deus, para que atuemos onde ele nos mandar”.


Deus pode usá-lo


Há dois anos, Larissa viu-se acometida por fraqueza e dor em todo o corpo. Voltando ao Canadá, ela descobriu que tinha danos no nervo espinhal e precisava de uma grande cirurgia.


"A experiência me mudou completamente", revelou Larissa. "Senti como se Deus tivesse permitido essa fraqueza no meu corpo para que ele pudesse operar por meio de mim".


Embora os médicos tenham desencorajado Larissa a retornar à África, e muito menos servir em missões, ela sentiu que sua doença a fez entender os desafios das mulheres na África. "Aquelas que estavam ligadas a mim continuavam orando", lembrou. "Eu achava que eu fosse alguém que as estivesse capacitando, ajudando, empoderando, mas, na verdade, algumas daquelas senhoras do ministério é que se tornaram um verdadeiro pilar de apoio para mim".


Encorajada pelo amor das mulheres que oravam e a apoiavam, Larissa retornou à Zâmbia com novo vigor e determinação, apesar de seu corpo ser mais fraco. "Não importa o que eu possa fazer, mas sim o que Deus pode fazer por meio de mim", disse Larissa. "Não importa qual é a sua condição...Deus pode usar você."


Traduzido por Orlando Silva

Revisado por Eunice L. Amaro

Texto original aqui.

NOTÍCIAS

INSPIRE-SE

Notícias de Missões

Blog

CONTATO

(12) 3945-0047

comunicacao.br@om.org

CONTRIBUA

Online, clique aqui

Depósitos:

Banco Bradesco

Agência 0225-9 - Conta Corrente 20.311-4

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Copyright 2020. Operação Mobilização Brasil. Todos os direitos reservados. comunicao.br@om.org