'Não é sobre bicicletas'


#Alemanha Como líder no ministério de esportes da OM, para Chris (África do Sul) não é estranho curtir diferentes paisagens viajando em duas rodas. "Eu pedalei em todos os lugares", disse ele. África do Sul, País de Gales e Malawi são apenas alguns dos lugares onde ele participou de excursões organizadas. Seus pais – os primeiros a lhe mostrar o amor de Deus – o apresentaram ao ciclismo e ao esporte, quando criança, preparando-o para uma vida ativa, seguindo Jesus.


Pensando em seus passeios de bicicleta, Chris viu claramente Deus operar, tanto nas vidas daqueles com quem pedalou quanto nas daqueles que ele encontrou ao longo do caminho. Por meio de uma parceria, a Bíblia foi traduzida para a língua de um grupo de pessoas que anteriormente não tinham acesso à Palavra de Deus. Quando a equipe de Chris percorreu aquela área, eles deram às pessoas a Bíblia, em formato de áudio, na própria língua deles. "Foi aí que a oração e os menos alcançado se conectaram, e isso para mim foi absolutamente o aspecto especial de tudo", disse Chris.


Para seu desafio físico mais recente, Chris se juntou a uma equipe de 14 ciclistas de 12 a 14 de junho de 2020, para andar 1.000 km pela Alemanha e, desse modo, arrecadar fundos e inspirar as pessoas a orar por cidadãos ao redor do mundo que foram impactados pelo novo coronavírus. Enquanto os 100 mil euros(aproximadamente 660 mil reais) em doações trazidas pelo passeio vaõ abençoar, sem dúvida, os projetos e as pessoas que recebem essas doações,para Chris, no entanto, os efeitos invisíveis de 72 horas de oração, contínua, foram mais importantes.


"O objetivo era iniciar um movimento de oração e criar condições para que outros o seguissem", explicou Chris. "Minha parte nesse Coronaride (passeio ciclístico para arrecadar auxílio aos impactados pelo coronavírus), às vezes, parece pequena, mas acredito que juntos realmente temos algo sendo feito. Iniciamos a oração dentro e fora das bicicletas, e vimos muita gente participar."


‘Siga-me’


O isolamento, em razão da pandemia, diminuiu o ritmo de vida na Alemanha, onde ele vive. "Eu, deliberadamente, desacelerei também", disse ele. "Senti o desejo do Senhor de que precisávamos desacelerar e, de