• OM International

Multiplicação de Ministérios


#SulDaÁsia “Durante a quarentena, ocasião em que nossa equipe não podia viajar ou mesmo sair de suas casas, nós vimos o número de líderes aumentando, apesar de tudo. Isso é estimulante”, explicou Brett*, líder da OM no Sul da Ásia. “Temos visto crentes dessa região se mobilizando, estudando a Palavra de Deus e aprendendo sozinhos… Em razão disso temos observado, talvez por já estarem envolvidos no contexto cultural local, os crentes daqui amadurecendo e frutificando."


Quando o país, em meados de março, por determinação do governo, entrou em quarentena total, durante a qual os residentes na capital só podiam andar alguns quarteirões para comprar alimentos, a equipe da OM viu Deus agindo de várias maneiras. A maioria dos obreiros já tinham sido enviados para as aldeias quando o isolamento foi anunciado. Isso significava que eles teriam muito mais liberdade para continuarem trabalhando. Os membros da equipe da OM agiram rápido e entraram em contato com os líderes das igrejas e crentes espalhados em lugares remotos, a fim de verificar seu bem-estar, incentivá-los a ler a Bíblia e ver o que estavam aprendendo. Essa forma de discipulado e cuidado levou, não apenas ao crescimento espiritual pessoal dos seguidores de Jesus, mas também ao aperfeiçoamento das relações entre a OM e líderes das igrejas, com repercussão até mesmo entre as várias denominações de igrejas locais.


"Por causa da COVID-19 as pessoas estão assustadas e acreditam que seja o fim do mundo", compartilhou Tess*, uma obreira da OM em uma área remota. "Mas também indica que mais pessoas estão dispostas a ouvir narrativas bíblicas, sobretudo sabendo que Deus está no controle". Tess e sua equipe, por telefone, treinaram e apoiaram vários cristãos para que eles compartilhassem sua fé de forma mais ousada, arrojada, e eficiente em suas comunidades. "Demos bíblias em áudio a um irmão, porque não podíamos visitá-lo. Assim, ele poderia compartilhar sua fé com muitos de sua aldeia, e a Bíblia em áudio poderia ajudá-lo, disse ela.


Desde o início de 2020, a equipe da OM, no Sul da Ásia, distribuiu cerca de 1.245 cartões de memória (SD) contendo Bíblias e 129 reprodutores de som de Bíblia de áudio, organizou 20 treinamentos de plantação de igrejas para 456 pessoas e viu 203 homens, mulheres e crianças tomarem a decisão de seguir Cristo. "Deus está agindo, e muito disso passa pela multiplicação, isto é, a capacitação de alguém que treine e discipule outra pessoa", disse Brett. "Percebemos que, se treinarmos as pessoas certas, o trabalho se desenvolverá sem nossa presença. Por isso esse acompanhamento e encorajamento é tão importante".


Abraçando o Ministério


Brett cresceu em uma família cristã na Austrália. Lá, quando criança, ele se lembra de ouvir e ler a Bíblia, e pensar: "Puxa, esses discípulos eram pessoas comuns. Se esta mensagem realmente é para mim, e para todas as outras pessoas, então Deus não está procurando indivíduos perfeitos. Ele apenas quer pessoas que obedeçam a ele."


"Também percebi que Deus me deu habilidades em certas áreas e que eu deveria usá-las para sua glória", disse Brett. Essas convicções — assim como seu amor pela aventura — acompanharam Brett. Enquanto ele estudava na universidade para se tornar um engenheiro, frequentava estudo bíblico com seus colegas em seu local de trabalho, começou a fazer parte da OM e, finalmente, assumiu um papel de liderança ministerial em um país do Sul da Ásia. "Tive uma boa base: fui bom aluno na escola e na universidade, fui engenheiro e trabalhei, projetando e testando carros — o emprego dos sonhos de muitos rapazes, no entanto percebi que estava apenas dando lucro para uma grande empresa. O que eu realmente queria era impactar vidas. E é por isso que eu entrei no ministério”.


Enquanto liderava a equipe, nos últimos quatro anos, Brett usou seus dons, paixões e convicções de várias maneiras. No início do ano, ele compartilhou com seu grupo os cinco princípios de plantação de igrejas que ajudaram sua equipe a obedecer melhor a Jesus. Esses princípios incluem a forma como Jesus escolheu doze homens comuns para, em seguida, discipulá-los e levá-los com ele, em suas viagens de evangelização. Jesus baseou seus ensinamentos nas Escrituras, foi exemplo de Fé para seus discípulos, deu-lhes missões e permaneceu convivendo com eles.


Esses ensinamentos, na verdade, podem estruturar a vida e o ministério de toda pessoa um que siga Cristo, como Jesus fez. "O que percebemos é que não é possível discipular alguém dispondo de apenas algumas horas, a cada quinze dias ou algumas vezes por ano. Há que se ter tempo de qualidade com as pessoas — como Jesus fez. Sendo assim, colocamos nossas equipes em aldeias, entre as pessoas, para que elas pudessem discipulá-las diariamente", disse Brett. "Nossas equipes interagem com as pessoas, encontram-se com elas, compartilham com elas, estudam a Bíblia, trabalham e riem juntas, enfim, vivem a vida juntas, porque quando se age assim, há inúmeras oportunidades para se demonstrar como Cristo transforma vidas".


Em uma aldeia, o filho de um bruxo não podia ser curado, não importava quais rituais seu pai fizesse ou tratamento médico que recebesse. Seu filho, enfim, foi curado, quando um cristão local que havia sido discipulado por obreiros da OM orou por ele. Depois de testemunhar essa cura, o feiticeiro e sua família decidiram seguir Cristo. À medida que a notícia da cura e transformação do menino se espalhava, outras quatro famílias da região também se converteram. "As cinco famílias passaram a ter fé de várias maneiras", explicou Brett. "Uma família compartilhava com a outra, outras recebiam Bíblias para ler e então decidiam abraçar a fé. Essas pessoas, depois, viam a vida de outros mudada por causa da decisão de seguirem Jesus". Por meio de acompanhamento e discipulado remoto, a equipe foi capaz de apoiar essa nova comunhão para crescer em sua compreensão de quem Cristo é, e o que significa segui-lo.


Deus agindo


Apesar das restrições de viagem e outras dificuldades em razão da COVID-19, Brett ajudou seus líderes de equipe a se adaptarem. "Nós paramos de tentar fazer tudo por nós mesmos e, em vez disso, começamos a mobilizar mais pessoas locais e a confiar que Deus as usaria e, depois, seguiria com aquelas que lhe fossem fiéis", compartilhou Brett. "Eu acho que foi uma mudança saudável e a maneira de Deus dizer: 'Eu tenho meu povo em lugares diferentes, mas você os ensina, e eles vão fazer a coisa certa.' Temos que tornar o discipulado prático. Não só uma coisa cerebral e pragmática; não é só uma coisa de coração, temos que usar as mãos também”.


Brett continua a amar participar de aventuras, ler sua Bíblia e buscar a orientação de Deus para sua própria família, bem como para a equipe que ele lidera. Ele está orando por "uma visão do tamanho de Deus para o futuro", que verá cada membro da equipe usando seus dons e habilidades, mas confiando em Deus para fazer o restante. "Você não abandona seu passado quando você entra em missões", disse Brett, "mas Deus usa cada pedacinho dele para se conectar com as pessoas".


A OM está em campanha no mundo inteiro para trazer socorro por impactos causados pelo COVID-19. Sua oferta e orações são muito bem-vindas e necessárias. Acesse www.om.org.br/covid para ofertar para campos em necessidade imediata.

*nomes alterados por motivos de segurança


Traduzido por Orlando Silva

Revisado por Eunice L. Amaro



NOTÍCIAS

INSPIRE-SE

Notícias de Missões

Blog

CONTATO

(12) 3945-0047

comunicacao.br@om.org

CONTRIBUA

Online, clique aqui

Depósitos:

Banco Bradesco

Agência 0225-9 - Conta Corrente 20.311-4

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Copyright 2020. Operação Mobilização Brasil. Todos os direitos reservados. comunicao.br@om.org