Levantando a voz


#ÁfricadoSul Deus não era algo novo para Annelize (África do Sul), mas tendo sido criada em uma igreja que era “tradicional e rígida”, ela descobriu que a igreja de sua amiga era completamente diferente. Crianças eram convidadas e encorajadas a participarem do culto, o que “me apresentou à acessibilidade a Cristo e ao Seu amor”, explicou Annelize. “Como, mesmo quando crianças, podemos entrar nesse relacionamento... Isso teve um enorme impacto na minha vida.”


“O relacionamento que [os cristãos da igreja] tinham com Deus e a tangibilidade de Jesus era algo que me atraiu para aquela comunidade muito rápido”, lembrou-se Annelize. Ela entregou a sua vida a Jesus e, logo depois, sua mãe, irmã e irmão seguiram pelo mesmo caminho.


Annelize continuou a construir o seu relacionamento com Cristo enquanto terminou a faculdade, se formou professora, entrou para a polícia e, mais tarde, consultoria e gerenciamento para a polícia. Estar na força policial “realmente te desafia nas suas crenças e naquilo que defende, então acho que esse foi um tempo quando pude realmente amadurecer como cristã”, disse Annelize.


Depois de se casar e engravidar do seu filho, Annelize pediu demissão para assumir o papel de mãe em tempo integral. Alguns anos depois, teve uma filha. “Eu acabei ensinando meus filhos em casa, algo que nunca pensei que faria!”, disse Annelize. “Sempre digo: ‘Nunca diga nunca, porque Deus te tirou desses nuncas’.


Enquanto dava aulas de culinária para outros, ensinando em casa, Annelize conheceu uma mulher que trabalhava com o Freedom Challenge (FC), um ministério da OM que promove a conscientização sobre o tráfico humano e escravidão moderna. “Eu estava totalmente ignorante sobre fato de que isso existia!”, admitiu Annelize. Inspirada, ela se ofereceu para organizar um evento culinário, para levantar fundos para a escalada que o FC estava organizando ao Monte Kilimanjaro.


Um dia, enquanto ela estendia suas roupas, Annelize ouviu Deus lhe dizendo para que se juntasse à escalada. Annelize riu, pensando: “Deus, ou o Senhor está desesperado ou tem um grande senso de humor, porque eu não sou o tipo de pessoa ativa e alpinista.”


Mas ela foi. E no ano seguinte, Annelize juntou-se a outro grupo de mulheres para alcançar o acampamento do Monte Everest.