“Investindo o meu tempo”


#SuldaÁsia Com certeza, não foi fácil chegar ao vilarejo. Depois de um dia inteiro de viagem em um ônibus lotado, Raquel* (Papua Nova Guiné) e sua parceira de viagem passaram outro dia de carro em uma estrada esburacada em um jipe, antes de caminhar a última parte da viagem com carregadores locais acompanhando-as. A jornada pode ter sido longa, mas valeu a pena para Raquel. As pessoas valem a pena.


Raquel fez parte de um pequeno grupo que viaja por vilarejos remotos em pares para compartilhar as boas novas. Eles passam tempo com as pessoas, conversam e distribuem literatura e cartões de memória com recursos, em idioma local, como um meio de plantar sementes da verdade.


Ao chegarem no vilarejo, Raquel logo arranjou acomodações. Como hotéis ou casas de visitas eram quase inexistentes nos vilarejos que Raquel visitava, ela estava acostumada a ficar onde quer que seus anfitriões oferecessem - normalmente um quarto de depósito.


Tendo acabado de colher milho dos campos, as pessoas do vilarejo estavam ocupadas removendo as espigas de milho e secando-as no sol. Raquel aproveitou a oportunidade para trabalhar junto às mulheres, ajudando-as com suas tarefas, enquanto conversava no idioma local. Raquel aprendeu bastante sobre a cultura e a vida diária ao mostrar interesse genuíno pelo que as pessoas estavam fazendo, e percebeu que, em resposta, as pessoas estavam interessadas na sua vida.


Depois de compartilhar um pouco sobre si mesma, Raquel voltou a conversa para aquilo em que qual acredita - Jesus Cristo. Quando sentiu que as mulheres estavam prontas, Raquel ofereceu-lhes literatura escrita no seu idioma e explicou as boas novas. Àqueles que não conseguiam ler, ela encorajava a encontrarem alguém que pudesse ler para eles em voz alta. E assim, a Palavra de Deus está se espalhando por lugares remotos.


Deixando o vilarejo alguns dias depois, Raquel e sua amiga encontraram pastores, cuidando de suas vacas e búfalos pastando. Os dois homens estavam curiosos sobre o que estavam carregando, e o rapaz carregador de Raquel explicou que tinham presentes para as pessoas. Ela tirou dois livros que falavam sobre quem é Jesus e deu um para cada homem. Raquel e seu grupo continuaram pelo caminho até que ouviram algo e se virou para ouvir. Um dos homens tinha aberto o seu livro e estava lendo em voz alta para os animais e para a selva ao seu redor.


“As pessoas precisam ouvir o nome de Jesus,” disse Raquel. “É nisso que penso quando estou viajando. É difícil, ou tem altos eu baixos, mas eu sei que não estou desperdiçando o meu tempo - estou investindo meu tempo, para que pessoas conheçam a Deus.”