Distanciamento social desperta o espírito comunitário


#Bélgica Ribka e Boyd, e suas três crianças, uma família Australiana, vivem em uma vila quieta perto de Zaventem, na Bélgica. Agora, está ainda mais quieta, já que os aviões de Bruxelas pararam de voar ali por cima, por causa do lockdown provocado pelo corona vírus. Numa noite, às 20h, a família ouviu seus vizinhos aplaudindo e festejando do lado de fora – uma coisa muito inesperada para aquela rua suburbana. “A gente demorou um pouco até entender que eles estavam agradecendo aos profissionais de saúde,” disse Ribka. “Nós nos juntamos a eles, e depois outra casa veio, e mais outra, até que éramos mais ou menos seis casas.”


Forçados a reclusão em suas casas por causa da pandemia, os vizinhos começaram a tirar o máximo proveito de poder cumprimentar e acenar para os outros, de longe. “Se tornou uma chance de dizer ‘olá’ para aqueles que não vemos normalmente, e ter certeza de que estão todos bem,” Ribka explicou. O tempo de crise e isolamento despertou um desejo de estar conectado de formas que ainda são possíveis. “Nós nunca vivemos um momento como esse em nossa comunidade antes!” disse Ribka, muito alegre.


Ribka e Boyd mudaram-se para a Bélgica dois anos atrás para começar o novo centro de oração da OM, na cidade de Zaventem, bem próxima, onde conduzem a oração e os louvores. “Assim que chegamos, seria muito estranho bater na porta dos vizinhos para nos apresentarmos,” disse Ribka. Este ano, motivados por uma imensa vontade de interagir, Ribka e Boyd enviaram cartões de Páscoa para seus vizinhos. Eles se apresentaram como a família australiana e desejaram a todos as bênçãos de Deus, de paz e esperança. Alguns dias depois, a família recebeu cartões e um presente. “Ficamos encorajados quando percebemos o quanto estavam abertos a receber um presente e presentear de volta,” disse R