Deus sabe meu nome


#SudesteAsiático Sua mãe a fez orar às divindades chinesas quando Emily* (agora com 42) era criança, a instruindo a sempre dizer seu nome, idade e endereço. Emily sempre se perguntou o porquê esses deuses não sabiam o nome dela. Quando seus pais viajaram de seu país natal, Cingapura, à Malásia para orar em um determinado templo, Emily também não conseguiu entender isso. “Então aquele é especial? Todos os templos e divindades não são a mesma coisa? Eu perguntei aos meus pais, mas eles não souberam responder.”


Quando adulta, Emily teve um amigo cristão que a convidou para ir à igreja um dia. Emily aprendeu sobre o amor e a graça de Deus. “Eu percebi que Deus sabia meu nome”, ela relembrou. “Eu não precisei dizer a Jesus meu nome ou onde eu estava para que Ele me encontrasse. Ele já sabia.” Mesmo assim, sua família teve dificuldades com sua decisão no início e em um outro momento eles aceitaram sua nova fé.

Não muito tempo depois de sua decisão, enquanto trabalhava como treinadora, um dos participantes do grupo disse a Emily sobre um ministério da igreja que a interessou. “O objetivo daquele pastor era compartilhar o amor de Deus com trabalhadores estrangeiros através de aulas de Inglês”, Emily explicou.


“Naquela época, eu era uma jovem cristã e não sabia como compartilhar minha fé, mas decidi tentar.” Isso a levou a viagens de ensino de inglês para a Indonésia. Vez ou outra, ela começou a ensinar em um acampamento de verão em uma vila da fronteira, na Ásia Oriental, onde serviu por todos os verões durante três anos. O diretor da escola local disse a ela que o sistema nacional de educação estava mudando e ele não sabia como cumprir com o novo curriculum. “Naquele momento, eu senti Deus me convidando a ensinar lá por um longo período,” lembrou Emily.