• OM International

'Deus redirecionou a minha vida'


#Grécia Quando Natalia* (Argentina) tinha quatro anos de idade, sua família se mudou para os Estados Unidos. “Era 2001 e a economia estava muito ruim na Argentina,” explicou Natalia. “Então, nos mudamos para ter mais oportunidades para a nossa família.”


Quase 10 anos depois, a sua família voltou para a Argentina. Com 13 anos, Natalia teve dificuldades com a mudança. “Se adaptar com a Argentina foi difícil,” se lembrou Natalia. “Os Estados Unidos eram o meu lar e, de repente, tudo estava diferente. Eu estava tão brava com a minha família por nos trazer de volta. Eu gostava da minha vida por lá e queria voltar a viver ali pelo resto da minha vida. Era o meu maior sonho.”


Como a sua família tem descendência italiana, a família da Natalia buscou e conseguiu cidadania e passaportes italianos dois anos depois. Ela acreditava que esse seria o seu caminho de volta para os EUA, então guardou dinheiro e comprou uma passagem. Seu último passo era uma entrevista para ir para os Estados Unidos por longo prazo e a última pergunta foi se ela já tinha estado lá por um longo período de tempo.


“Por causa dessa pergunta, o meu pedido foi rejeitado duas semanas antes da minha partida para os EUA,” disse a garota de 22 anos. Natalia estava arrasada e foi nesse momento que ela sentiu Deus falar.


“Eu li a história do jovem rico em Mateus 19:16-30, que depois de seguir a Lei perfeitamente, perguntou a Jesus o que mais deveria fazer para ser salvo. Jesus lhe disse que deveria vender tudo o que tinha, dar aos pobres e segui-Lo,” Natalia relembrou. “Eu também li o livro Radical de David Platt, que também fala sobre esse assunto.”


Durante os próximos meses, enquanto passava um tempo lendo a Bíblia, ela ganhou uma nova perspectiva sobre Deus e o que significa ser cristã.


“Percebi que estava correndo atrás dos meus sonhos e não de Jesus,” compartilhou. “Vi então que Ele vale muito mais do que eu viver onde eu queria no meu sonho de vida. Jesus é mais valioso até mesmo do que o meu maior sonho.”


Lentamente, o sonho de retornar aos Estados Unidos foi sumindo e, eventualmente, desapareceu do seu coração. Então, Deus lhe deu um novo sonho: ir para o campo missionário.


“Ele pegou o velho sonho, aquele onde eu vivia confortavelmente e corria atrás dos desejos do meu coração, e o substituiu com um onde eu teria a possibilidade de viver ainda menos confortável no futuro. Ele simplesmente redirecionou tudo. Isso é algo que só Deus poderia ter feito em mim.”


Passo a passo


Com um novo propósito para o seu futuro, Natalia começou a dar passos ativos para se preparar para o campo missionário. Ela começou a estudar para se tornar uma professora de inglês e a guardar dinheiro sempre que pudesse, mesmo que fosse sacrificando algo que queria ou um evento aonde gostaria de ir. Ela também buscou conselhos do seu pastor que recomendou que ela fosse numa viagem missionária de curto prazo. Então, alguém na OM sugeriu que ela orasse sobre servir refugiados na Grécia.


“Enquanto eu orava a respeito, Deus começou a me mostrar que refugiados eram como eu quando adolescente. Eu sabia como era ser de um país diferente e tentar se adaptar a um novo país onde eu não queria estar. Enquanto eu não podia entender o terror de deixar o meu país por conta da guerra e ter uma jornada longa, dura e aterrorizante até outro país, eu sentia que podia me relacionar até certo ponto.”


Entre o dinheiro que ela poupou e as contribuições da sua igreja. Natalia conseguiu ir para a Grécia em janeiro de 2019. Durante a sua viagem de um mês, ela passou um tempo servindo em igrejas de refugiados, bem como em dois diferentes acampamentos de refugiados. Suas tarefas eram variadas - ajudar trabalhadores de longo-prazo, lavar e dobrar roupas, cuidar dos bebês, ensinar e qualquer outra maneira pela qual ela poderia compartilhar do amor de Deus de maneira prática.


“Quando me encontrei com os refugiados e ouvi as suas histórias, senti compaixão. Eu entendia como eles podiam estar tristes ao sentir saudades de seus países. Mas estavam na Grécia porque estavam buscando um jeito de sobreviver.”


“Estas eram histórias de como passaram dois anos indo de um país a outro, tentando entrar na Grécia, através de noites sem fim, oceanos escuros, estarem perdidos, e até mesmo tentar nadar e perder familiares ao longo do caminho. Eu estava atônita. Essas histórias eram reais. Elas estavam acontecendo ali, em 2019. Eu nunca as tinha visto tão perto de mim. Poderia ter ouvido na TV ou online, mas era completamente diferente ouvir as pessoas bem na minha frente contando de sua jornada apenas para sobreviver. Todas as minhas preocupações pareciam insignificantes daquele momento em diante.”


Propósito renovado


Agora, de volta na Argentina, Natalia tem seu propósito renovado em seus estudos para se tornar uma professora de inglês. “Quero poder ensinar inglês ou traduzir para qualquer um que precise ou que não tenha acesso, como os refugiados. Eles sempre precisam de professores de inglês em acampamentos de refugiados porque alguns deles estão tentando entrar numa sociedade onde não falam o idioma,” ela disse.


Natalia ama povos muçulmanos e ama trabalhar com grupos de pessoas vulneráveis, então ela está aberta a retornar à Grécia ou ir a outro lugar para fazer isso. “Eu adoraria começar a estudar teologia também,” ela compartilhou. “Agora, estou tentando ler o máximo que puder, mas gostaria de ir a algum lugar e aprender.”


Deus já redirecionou a sua vida? Como a história de Natalia te encoraja a compartilhar do Seu amor com os outros? Clique aqui para mais informações sobre como você pode servir a Deus entre os refugiados!


*Nome alterado nome alterado por questões de segurança


Tradução por John H.

Texto original aqui.



NOTÍCIAS

INSPIRE-SE

Notícias de Missões

Blog

CONTATO

(12) 3945-0047

comunicacao.br@om.org

CONTRIBUA

Online, clique aqui

Depósitos:

Banco Bradesco

Agência 0225-9 - Conta Corrente 20.311-4

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Copyright 2020. Operação Mobilização Brasil. Todos os direitos reservados. comunicao.br@om.org