De prontidão para um tempo como este


#Bélgica Era uma sexta-feira à tarde, e Nicolas* e Sandra* estavam se preparando para sair no feriado do dia seguinte. O casal suíço ainda não tinha feito as malas, mas tinham comprado comida suficiente para um mês, então não precisariam se preocupar com isso quando voltassem. “Nós sempre temos armazenado comida suficiente para um mês”, explicou Nicolas. “Nós fazemos parte da equipe de resposta da OM para desastres, então nós praticamos o que ensinamos.” As provisões que mantinham para caso de emergência se mostraram úteis na hora exata, considerando o lockdown na Bélgica por causa do corona vírus.


Naquela mesma tarde, Nicolas e Sandra receberam uma mensagem da Cruz Vermelha Belga, convocando todos os voluntários para ajudar numa demanda crescente por cuidado. O casal já havia trabalhado como voluntário para a Cruz Vermelha, como paramédicos, durante os sete anos anteriores. Mas vendo a convocação urgente, Nicolas e Sandra imediatamente deixaram de lado seus planos para o feriado. Na ocasião eles nem tinham como saber, mas essa decisão de não viajar evitou que fossem parar na área mais afetada pela pandemia na Bélgica.


“Era para nós termos ficado presos lá durante a quarentena”, Sandra destacou. “Olhando para trás, é claro que não foi só uma coincidência que tenhamos ficado onde podemos trabalhar como paramédicos.” A OM Bélgica dispensou o casal das suas responsabilidades na administração da equipe e na manutenção da casa para hóspedes, agora fechada. Nicolas e Sandra aumentaram seu compromisso com a Cruz Vermelha para cinco dias por semana.


“Essa crise é diferente de todas as outras onde nós ajudamos”, disse Sandra. “Está bem à porta das casas e nós não temos ideia de quando vai acabar.” O casal normalmente viaja para zonas em crise por um tempo já determinado de semanas, como foi no caso do desastre natural nas Bahamas em 2019. “Estamos mais habituados a crises mais aparentes, estruturais,” continuou Nicolas. “Agora nós não podemos ver, mas quando vestimos nossas ‘moon suits” (roupa de proteção, apelidada de “roupa de astronauta”), sabemos que é real.