• OM International

Capaz de compartilhar amor


#Zâmbia “Eu era um ladrão. Pensei que eu fosse cruel demais para merecer o amor de Deus. Mas agora que minha vida foi tocada por ele, eu sou até capaz de vivê-la por outros,” disse Peter Chila com um grande sorriso.


Tendo crescido em uma família pobre, com 14 irmãos, na Zâmbia, Peter teve que lutar para sobreviver. Atender às suas necessidades diárias era uma luta! Isso sem mencionar a dificuldade para dar continuidade a sua educação. E quando percebeu sua esperança para o futuro virar pó, Peter começou a roubar para se sustentar.


Uma noite, ele e seus amigos estavam saqueando nas minas de cobre quando Peter ouviu o som de uma arma. Bang! Enquanto fugia da polícia, ele sentiu algo atingir suas costas e caiu no chão inconsciente. Despertando no hospital, a primeira coisa que o médico disse foi: "Você nunca mais vai andar." A bala tinha viajado ao longo da medula espinhal de Peter e saído sob seu braço, muito perto do coração. O médico não achou que Peter viveria por muito tempo.


Paralisado e deitado em uma cama de hospital, Peter pensou que sua vida estivesse arrasada. Ele se perguntou como poderia continuar sua vida se ficasse deficiente, especialmente devido aos crimes que ele tinha cometido. "Eu estava arrependido e triste", lembrou Peter sobre seus primeiros dias no hospital.


Um obreiro visitou o hospital e compartilhou o amor de Deus com Peter. Mesmo assim, demorou algum tempo para a mensagem fazer sentido para ele. "Eu pensei que fosse muito cruel para receber o amor de Deus e que não havia esperança para minha vida", disse Peter. O obreiro não desistiu , mas o visitou constantemente, explicando a ele como as pessoas eram todas influenciadas pelo pecado e que essa era a razão pela qual Jesus tinha vindo à terra. "Jesus veio para salvar e buscar os perdidos como eu", explicou Peter, compartilhando como Deus abriu seu coração para o fato de que Jesus o amava – mesmo quando Peter era impuro e perdido.


Recebendo o amor de Deus em seu coração, Peter ficou muito feliz com a esperança recém-descoberta e sentiu uma paz indescritível pela primeira vez em sua vida. Sua jornada com Jesus começou ali mesmo no hospital, pois ele não conseguiu conter o entusiasmo com sua nova fé e começou a compartilhar a boa nova com os outros pacientes.


Três meses no hospital mudaram Peter de um homem desesperado para um vencedor no amor de Deus. O médico admitiu que a recuperação de Peter foi um milagre. Embora ele só pudesse arrastar lentamente as pernas, Peter foi capaz de andar. Ser liberado do hospital foi apenas o começo de sua nova vida.


Ajudando aos outros


As crenças e a cultura perpetrados pela cultura do local onde Peter vive levam as pessoas a desprezarem as que têm deficiência, explicou. Muitas crianças com deficiência estão escondidas em casa, porque são vistas como uma maldição e motivo de vergonha para a família. Para Peter, ele não só teve que enfrentar o estigma de sua deficiência, mas também a marca de seu passado na comunidade. "Cada vez que me sentia sem esperança, mais sentia a presença de Jesus na minha vida", disse Peter. "Comecei a servir em uma igreja local, e isso me deu esperança. Minha paixão cresceu."


Peter foi convidado para participar de uma conferência da OM na África. Lá, ele encontrou a família que desejava e percebeu que queria fazer mais do que servir a igreja local. Ele fez treinamento de liderança por meio da OM e, finalmente, conheceu sua esposa Brenda, que tinha um chamado para ajudar pessoas que vivem com deficiência.


Sua visão é levar a luz e o amor de Jesus para aqueles com deficiência por meio da OM-run Bethesda Mercy Ministry (Ministério de Misericórdia OM-run Bethesda). Peter se juntou à equipe quando o Bethesda foi à primeira escola para crianças com deficiência na província. A escola fornece professores, terapeutas ocupacionais e auxiliares de professores para ensinar as crianças a ler e escrever, o tempo todo mostrando-lhes o amor de Jesus.


Desde 2014, Peter, que é testemunho vivo do amor de Deus às pessoas com deficiência, lidera o Ministério da Misericórdia de Bethesda. De um punhado de estudantes no início para cerca de 70 alunos em duas escolas em 2020, Deus tocou muitas vidas que antes eram consideradas intocáveis. Peter gosta de conscientizar a comunidade deficiente e mobilizar mais pessoas para se juntarem à causa. "Sem essa escola, essas crianças nunca teriam sido educadas", disse ele. "Esta escola ajudou a comunidade lentamente a começar a aceitar essas preciosas almas."


Peter não só se alegra como filho de Deus, mas como um recipiente para compartilhar Seu amor. "Eu sorrio quando vejo as vidas que Deus impactou por meio da minha vida!", compartilhou.


Devido ao novo coronavírus, todas as escolas da Zâmbia foram fechadas. Para os alunos das escolas Bethesda, eles não só perdem a oportunidade de educação, mas também as refeições nutritivas que recebem todos os dias de aula. Atualmente, a equipe do Ministério Bethesda Mercy está arrecadando dinheiro para entregar alimentos e pacotes básicos de higiene como sabão e máscaras para as famílias dos alunos, com o objetivo de fornecer a cada aluno uma refeição nutritiva por dia. O primeiro caso de COVID-19 na Zâmbia foi diagnosticado em março. Um desafio que o país está enfrentando, nas áreas, rurais é a crença incorreta de que o novo coronavírus só impacta aqueles que viajaram para o exterior ou que o vírus nem sequer existe.


A OM está em campanha no mundo inteiro para trazer socorro por impactos causados pelo COVID-19. Sua oferta e orações são muito bem-vindas e necessárias. Acesse www.om.org.br/covid para ofertar para campos em necessidade imediata.


Tradução por Orlando Silva

Revisado por Eunice L. Amaro

Texto original aqui.

NOTÍCIAS

INSPIRE-SE

Notícias de Missões

Blog

CONTATO

(12) 3945-0047

comunicacao.br@om.org

CONTRIBUA

Online, clique aqui

Depósitos:

Banco Bradesco

Agência 0225-9 - Conta Corrente 20.311-4

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube

Copyright 2020. Operação Mobilização Brasil. Todos os direitos reservados. comunicao.br@om.org