Descobrindo Jesus


Por Nicole James

Tradução de Rodrigo Mendes

Em um distrito da Ásia Central existem 12 subdistritos. Esses 12 subdistritos contêm 125 aldeias. Essas 125 aldeias hospedam quase 300.000 pessoas.

Essas 300.000 pessoas que vivem em aldeias rurais com pouco ou nenhum envolvimento no evangelho, são quem os trabalhadores da OM, Abbas* e Meryam* querem alcançar através de projetos de desenvolvimento comunitário.

Do ministério do esporte às clínicas de enfermagem e às iniciativas de pacificação, o casal não limita os tópicos do projeto nem a idade dos participantes. No entanto, eles procuram oferecer um desenvolvimento holístico: físico, social, emocional e espiritual.

Em muitos casos, os projetos criam oportunidades para que Abbas, Meryam e outros crentes apresentem os muçulmanos a Jesus.

Programa de esportes fornece acesso a pessoas com deficiências

Quando Abbas e Meryam começaram um programa esportivo para jovens com deficiência em uma vila, eles conheceram uma família com cinco filhas, duas delas com deficiências. Segundo Abbas, na sociedade da Ásia Central, os meninos são considerados mais valiosos do que as meninas e as deficiências são vistas como maldições.

“As pessoas acham que estamos amaldiçoados. As pessoas acham que pecamos”, disse a família a Abbas e Meryam.

Como o casal continuou a visitar a comunidade, no entanto, eles trouxeram pessoas diferentes para compartilhar testemunhos como parte do programa esportivo. Depois de ouvir os vários oradores, Ara*, uma das filhas com deficiência, disse que estava interessada em ler a Bíblia.

“Agora ela está lendo a Bíblia e aprendendo. Louvado seja Deus! ”, Disse Abbas.

Embora Ara não tenha se comprometido a seguir a Cristo, "ela está procurando", acrescentou. “Todo mundo tem um processo [em chegar ao ponto no relacionamento] em que você diz: 'Sim Senhor, você é meu salvador'”.

O Ministério do Esporte forneceu acesso a várias famílias, com as quais Abbas e Meryam desenvolveram relacionamentos contínuos. "Há muito quebrantamento", explicou Abbas. “Falamos sobre cura interior, sessões de paz e ética que os levam para a cruz. É um processo que precisa de tempo.

Aulas de saúde abrem caminho para falar sobre o perdão

Abbas e Meryam visitam aldeias onde não há boas clínicas médicas ou hospitais e oferecem aulas de saúde para mulheres. “Em nossas aulas compartilhamos histórias da Bíblia de acordo com os tópicos”, disse Meryam.

Uma mulher muçulmana, Marjan*, tinha ido em peregrinação a Meca na Arábia Saudita, na esperança de receber o perdão dos pecados de acordo com o ensinamento islâmico. Ela se aproximou de Meryam depois de uma das aulas de saúde.

“Essas são histórias interessantes. De onde você tirou? Marjan perguntou.

"Elas são do Livro Sagrado", respondeu Meryam.

"Posso ter as histórias?"

Querendo orientar um par de crentes da Ásia Central servindo com ela, Meryam disse a Marjan para pedir-lhes uma Bíblia. Quando ela o fez, eles lhe deram uma.

"Ela começou a ler e ainda está lendo", confirmou Meryam. "Estamos orando para que Deus abra o coração dela e que ela entenda [que] para obter o perdão e a salvação, ela não precisa ir muito longe de seu país."

Clube de futebol apresenta esportista a Jesus

Alguns poucos crentes da Ásia Central que foram mentoreados por Abbas começaram recentemente um clube de futebol. A maioria dos homens que se inscreveram para jogar eram muçulmanos. Para serem uma boa testemunha no campo de futebol, os crentes estabeleceram regras para sua equipe: sem xingamentos, sem brigas, sem trapaça.

Durante a quarta semana de jogos, Kia*, um dos jogadores muçulmanos perguntou a um dos crentes o que havia de diferente em seu grupo.

"Nada", o crente respondeu. "Estamos tentando fazer o que estamos lendo."

"O que você está lendo?" Kia perguntou.

"Estamos lendo a Bíblia."

"Você é cristão!"

"Nós somos crentes, mas se você estiver interessado, você também pode ler."

Na próxima reunião de futebol, Kia disse aos crentes: “Vou tentar orar. Se eu marcar um gol, vou acreditar em Jesus.”

Naquele dia, Kia marcou um gol e anunciou: "Acredito que Jesus existe e ouve as orações".

Desde então ele tem lido a Bí