Casa sempre cheia


Por Nicole James

Foto de Nicole James

Tradução: Tayza Garcia

Em uma calorosa noite de fevereiro em Indaiatuba, no Brasil, Ivanir Christovam movimentou a pequena cozinha em sua casa alugada, preparando a refeição da noite. "Gosto que as pessoas se sintam em casa aqui", disse ela, entregando uma tábua e uma faca a um dos convidados sentado à mesa no centro da sala. Ela colocou uma pilha de cenouras recém-lavadas na tábua. "Você pode cortar os vegetais".

Ela colocou quatro pratos sobre a mesa, para si e os três visitantes na cozinha. No momento em que a refeição foi preparada, ela adicionou mais dois pratos - seu marido, Vitor, e outro amigo chegariam em casa da igreja a qualquer momento.

Depois que as seis pessoas completaram sua primeira rodada de hambúrgueres, a porta da frente se abriu. Ivanir e Vitor esperavam que sua filha, Marina e um amigo, se juntassem à mesa de jantar sempre em expansão. Mas quatro jovens entraram na cozinha. Dez pessoas sentadas ao redor da mesa inicialmente definida para quatro.

"Eu adoro", exclamou Ivanir, referenciando sua casa cheia. "Eu sou uma mãe".